“Temos que estar vigilantes contra as acções dos terroristas” - PR

Data: 07/09/2021
 
Cerimónias de Celebração de 7 de Setembro e Condecorações-5

Maputo, 07 de Setembro de 2021 - O Presidente das República, Filipe Jacinto Nyusi, exortou a todos moçambicanos a se manterem vigilantes face às acções terroristas, por se tratar de um inimigo perigoso.

O Chefe do Estado moçambicano proferiu este apelo em Nampula, durante o acto central de comemoração do Dia da Vitória, acto que foi marcado pela de imposição de insígnias a 25 veteranos da luta de libertação nacional, de um total de 1546 distinguidos pelo Chefe do Estado, em reconhecimento do seu empenho aos interesses nacionais.

Segundo o Presidente Nyusi, a situação em Cabo Delgado tende a melhorar a cada dia, o que leva a que alguma população esteja a regressar às suas zonas de origem. 

“Contudo, aconselhamos a observar recomendações das estruturas locais que variam de zona para zona, para melhor recomendar”, sublinhou.

Para o Presidente da República, as celebrações deste ano do Dia da Vitória acontecem num momento desafiante para o nosso país. Segundo disse, para além dos cíclicos desafios relacionados com as mudanças climáticas, que provocam secas, cheias e ciclones, o país ressente-se da Covi-19 e da intranquilidade provocada por militares da autointitulada Junta Militar da Renamo e para agravar, Moçambique está ser vítima da agressão do terrorismo internacional.

“Os terroristas realizaram o seu primeiro ataque armado no dia 05 de Outubro de 2017, na localidade de Auasse, no distrito de Mocímboa da Praia. Até hoje, essas ações terroristas já resultaram em mais de duas mil mortes dos nossos concidadãos, mais de 850 mil cidadãos deslocados, para além de centenas de infraestruturas sócio-económicas destruídas”, salientou.

De acordo com o Presidente da República, os cabecilhas deste grupo criminoso nunca deram a cara, por isso, o povo moçambicano ainda não os conhece.

“Dos terroristas capturados ou postos fora do combate identificamos cidadãos de origem tanzaniana, congolesa, somalis, ugandeses, ruandeses, quenianos e recrutas moçambicanos, para além de indivíduos de outras partes do mundo. Como resposta, as nossas forças de Defesa e Segurança, com a sua bravura e valentia, na base do princípio de prevenir, proteger e perseguir, sempre estiveram firmes na defesa da nossa população, seus bens e da nossa Soberania. Ao lado das FDS, está empenhada a força local constituídas por veteranos da luta de libertação nacional e seus descendentes, devidamente organizados”, disse o Presidente Nyusi. 

O Chefe do Estado revelou igualmente que das ofensivas de caça ao inimigo realizadas nas últimas semanas com as FDS na vanguarda, com a solidariedade dos países irmãos como a República do Ruanda e as forças de alerta da SADC e juntamente com os continuadores dos jovens de 25 de Setembro, estão a sufocar o inimigo.

“Neste momento, recuperamos quase todos os espaços que haviam sido ocupados pelos terroristas, estando a decorrer operações de limpeza e esclarecimento combativo e o restabelecimento de infraestruturas de energia, água, telefone móvel, banca, estradas, pontes, centros de saúde, entre outras. Mesmo assim, continuamos a alertar a máxima vigilância porque o terrorista é suspeito e nunca tem espaço permanente onde vai actuar”, sublinhou. 

O Presidente da República entende igualmente que o combate ao terrorismo faz-se também com o patriotismo e amor a pátria de todos os moçambicanos, particularmente dos mais jovens, pois, segundo disse, “esses valores consolidam a Unidade Nacional, a nossa moçambicanidade, porque um compatriota convicto não é capaz de vender a sua pátria, seja a que preço for. Devemos por isso felicitar os organizadores destas cerimónias, pela escola acertada do lema “Combatente Firme no Combate do Terrorismo, Promovendo o Patriotismo e o Desenvolvimento”, pois o lema sintetiza o que está a acontecer na actualidade.