Presidente da República participa na Gala do Dia da Victória

Data: 10/09/2019

O Presidente da República Filipe Jacinto Nyusi, participou ontem, dia 6 de Setembro de 2019, no Centro Cultural Montalto, na cidade de Chimoio, província de Manica, na Sessão da Gala do Combatente, alusiva ao 7 de Setembro, Dia da Victória.

A anteceder o desfile dos Combatentes, teve lugar na sexta- feira uma gala em que o grupo cultural das Forças Armadas da Defesa de Moçambique (FADM), representou os vários momentos da luta de libertação nacional, nomeadamente, a resistência do império de Gaza á escravatura e aos 500 anos de dominação colonial portuguesa em Moçambique. 

A apresentação foi contagiante de tal forma que o Presidente da República não resistiu tendo dito que se tratou da narração detalhada do processo da luta, como forma de valorizar os feitos dos combatentes, bem como passar o testemunho a actual geração das FADM.

O momento foi aplaudido pelos combatentes na medida em que os actores representaram fielmente as façanhas pelas quais passaram os libertadores da pátria durante o sinuoso período da guerra que durou 10 anos, concretamente, a produção de alimentos, transporte do armamento, bem como o ensino e aprendizagem nas zonas libertadas.

Durante as exibições foram demonstrados a bravura, determinação e o espírito combativo dos combatentes que conseguiram derrotar o exército português que contava com um armamento bélico. 

Um momento peculiar foi quanto foram recordados alguns trechos dos discursos do proclamador do Estado moçambicano, Samora Moisés Machel, nomeadamente: daqui não saímos, daqui ninguém nos tira.

O grupo cultural retratou igualmente o histórico momento da fundação da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), em 1962, altura em que foram lançadas as bases para a unidade nacional, processo este que nos dias de hoje, os moçambicanos são chamados a preservar.

Como nota do fecho do bailado, o grupo trouxe o estágio actual que se vive no país em que a prioridade foram os apelos para a necessidade da preservação da paz, que em algum momento tem sido posta em causa.

O Presidente da República afirmou que “nossos filhos trouxeram neste palco através do bailado místico a heroicidade dos moçambicanos durante a luta armada, mas também o contributo que os combatentes tem estado a desenvolver para o crescimento sócio económico, cultural do país, nestes mais de 40 anos da independência nacional”.