"Falta de concentração é o que os inimigos internos e externos querem" - PR

Data: 31/03/2021
 
Inauguração da Delegação Distrital do INSS de Matutuine-37

MAPUTO, 31 DE MAIO DE 2021 – O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, afirmou que a falta de concentração é o que os nossos inimigos internos e externos querem, exortando aos moçambicanos para não perderem o foco em face dos ataques protagonizados pelos terroristas na região norte da província de Cabo Delgado.

O pronunciamento do Chefe do Estado moçambicano, foi feito na localidade da Ponta d’Ouro, durante a cerimónia de inauguração da Delegação Distrital de Matutuine do Instituto Nacional de Segurança Social (INSS).

“Sabem todos que no dia 24 houve mais um ataque de terroristas, desta vez em Palma. Não foi o maior do que tantos outros que tivemos, mas tem o impacto de ter sido numa zona da periferia dos projectos em curso naquela província. O nosso apelo é simples: não percamos o foco, não fiquemos atrapalhados, vamos abordar o inimigo como temos abordado, com tendência objectiva, como as Forças de Defesa e Segurança (FDS) estão a fazer”, sublinhou o estadista moçambicano.

No que tange à Covid -19, o Presidente da República Nyusi recomendou que “Não nos animemos por aqueles que se consideram serem um sucesso, mas também vamo-nos concentrar; não vamos politizar. Isto é um problema que o país vive e não é com a razão de A e B que esse problema se resolve; é com empenho de nós todos; nada de coisas mesquinhas, mas brevemente voltaremos a falar sobre isso.”

Sobre a inauguração do edifício do INSS, o Presidente da República referiu recomendou ao Ministério do Trabalho e Segurança Social e todas as instituições intervenientes no sector a continuar a trabalhar para garantir uma maior cobertura em termos de pessoal e territorial do sistema de segurança social, assegurar a recuperação das contribuições em dívida, aumentar o número de contribuintes, beneficiários e trabalhadores por conta própria, melhorar a qualidade e a eficiência do sistema, avaliar a pertinência ou não da exposição fundos de reserva em depósitos a prazo, no lugar de encontrar outras formas que garantam uma outra melhor rentabilização e estudar a aplicabilidade da recomendação da recente Comissão Consultiva do Trabalho, no que tange a revisão dos estatutos do INSS, para adequá-los à nova realidade socioeconómica do país.