“Agente do SISE é o mais leal perante a pátria” – Presidente da República

Data: 02/06/2022
 
_DSC5572

Maputo, 02 de Junho de 2022 – O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, afirmou hoje que o agente do SISE é o mais leal perante a pátria, e é defensor número um do Estado Moçambicano.

O Chefe do Estado falava na cerimónia de tomada de posse do Director-Geral e do Director-Geral Adjunto do Serviço de Informações e Segurança do Estado (SISE), Bernardo Lidimba e Joia Haquirene, respectivamente, que decorreu no Gabinete de Trabalho do Presidente da República.

No seu discurso, o estadista moçambicano acrescentou que as valências que acumuladas pelo SISE, associadas às competências demonstradas no cumprimento das várias missões incumbidas, dão a firme convicção de que o SISE estará à altura de cumprir cabalmente a sua missão num tempo desafiante.

“Referimo-nos, a título de exemplo, ao terrorismo e extremismo violento, à difusão de informação falsa querendo sobrepor-se à que deve ser por vós processada, à corrupção nas suas diferentes formas; à exploração ilegal e exploração desregrada e insustentável de recursos naturais; à chantagem psicológica, recorrendo a diferentes tipos de artimanhas; ao crime organizado transnacional; ao branqueamento de capitais; ao narcotráfico; à fuga ao fisco; à pirataria marítima; à imigração ilegal; aos sequestros e raptos; aos assaltos à mão armada, à espionagem económica; à falta de respeito para com os símbolos e órgãos nacionais de soberania, entre outros”, disse o estadista aos empossados.  

O Chefe do Estado mostrou que o homem deve ser o centro de atenção do mandato dos empossados, exortando para que imponham em cada agente da instituição, uma postura digna e exemplar, observando os princípios de fidelidade à Nação, à Constituição e à Lei; a defesa de soberania e dos interesses do Estado e a promoção da coesão e da unidade nacional.

“O homem é um activo nobre a ser observado pela liderança para que continuemos a observar o sucesso na missão que vos é incumbida. Devem reactivar a coesão na instituição e dedicar especial atenção às sensibilidades de cada colaborador que sempre esteve na linha da frente na segurança do Estado moçambicano”, afirmou. 

 Referiu também que nos últimos tempos, a paz no país tem estado a ser ameaçada pela agressão, o que faz repensar na forma como se deve abordar os desafios tanto locais quanto globais.

“Esta situação de violência baseada no terror caracterizada pela agressão do Estado, que ontem parecia estar distante e hoje convive connosco, traz-nos à consciência a noção de existência, sempre, de ameaças que nunca podem ser ignoradas”, explicou o Presidente Nyusi.