PR nas comemorações dos 100 anos do nascimento de Eduardo Mondlane

Data: 22/06/2020
 
_DSC4344

Manjacaze, 22 de Junho de 2020 – O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, dirigiu no último sábado, dia 20 de Junho de 2020, as cerimónias centrais das comemorações dos 100 anos do nascimento do Doutor Eduardo Mondlane, Herói Nacional e Arquitecto da Unidade Nacional.

Na ocasião, o estadista lembrou o percurso de Eduardo Mondlane, e descreveu-o como um grande patriota que soube sacrificar seus interesses pessoais a favor dos interesses do povo moçambicano. Recordou a sua expulsão da África do Sul pelo regime do Apartheid e a perseguição pela PIDE em Portugal, que mais do enfraquecê-lo aumentaram a sua determinação em cumprir o mandamento da sua mãe, que antes da sua morte, que aconteceu quando ele tinha 13 anos, disse-lhe que tinha que estudar muito para dominar o feitiço do homem branco. 

O Chefe de Estado, chamou ainda a capacidade de diálogo de Mondlane que através da sua capacidade argumentativa conseguiu unir os três movimentos nacionalistas existentes até então para formar a Frelimo, destacando que só unidos os moçambicanos teriam capacidade para enfrentar o colonialismo e desenvolver o país. 

Por outro lado, o Presidente Nyusi recordou o trecho de uma carta que Mondlane escreveu para a sua esposa, em que dizia que se ele fosse esquecido passados 10 anos após a sua morte, então a sua luta não terá valido a pena, para dizer que 51 anos depois o país, e até acadêmicos nacionais e estrangeiros, continuam a estudar e a interpretar os seus pensamentos.

Para o estadista, Eduardo Mondlane estaria hoje feliz ao olhar para Moçambique porque o seu sonho foi cumprido, o país está independente, há milhares de moçambicanos que estão formados e a educação, a saúde e outros serviços essenciais são de acesso universal, não obstante prevalecer o desafio contínuo de melhorar as condições de vida da maioria da população em Moçambique.

“Hoje, a nossa pátria continua a enfrentar desafios de vária natureza, desde a luta contra o terrorismo que agride e massacra o nosso povo, até os de irradiação da pobreza, de doenças como a malária, a tuberculose e do Hiv/Sida  e actualmente confrontamo-nos com a pandemia da Covid-19 que assola o mundo inteiro. Estes desafios de hoje podem ser abordados com sucesso, mantendo-nos unidos, comprometidos com a nação. Mondlane encerra muitas facetas e muitas realizações. Evocámo-lo porque como bem anteviu, sabia que podia morrer, mas que o seu sonho não morreria com ele”, disse.