“Para além dos esforços na mobilização de recursos, deve-se apostar na educação das comunidades”

Data: 29/01/2018
 
Abertura UA

O Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi, participou, hoje, na Reunião do Comité dos Chefes de Estado e de Governos Africanos sobre Mudanças Climáticas (CAHOSCC), que decorreu no Complexo dos Escritórios da União Africana.

Intervindo no encontro, o Chefe do Estado moçambicano saudou a contribuição do Governo do Gabão no combate às mudanças climáticas, e pelo seu empenho na promoção de boas práticas para a consciencialização dos Estados Membros sobre a necessidade de tomar medidas que promovam essas boas práticas.

Porém, para o Presidente Nyusi, para além dos esforços na mobilização de recursos, deve-se apostar também na dedicação de esforços, particularmente na educação das comunidades, para que estas possam compreender os impactos das mudanças climáticas, e desta forma passar a participar na sua mitigação.

Reafirmou o cometimento de Moçambique nas questões das mudanças climáticas, sobretudo porque o país vive esse cenário no seu dia-a-dia, destacando a situação de cheias no norte, e de seca no sul do país, que têm forte impacto nos resultados das campanhas agrícolas.

A proposta apresentada pelo Chefe do Estado moçambicano foi grandemente aceite e acolhida, tendo sido saudado por estar presente pessoalmente, o que demonstra a importância que Moçambique dá ao tema das mudanças climáticas, conforme o documento final lido no encontro.

Ontem,o Chefe do Estado participou na discussão do Relatório sobre a Reforma Institucional da União Africana. Intervindo, o Presidente Nyusi defendeu que é fundamental o consenso para que a implementação das reformas seja bem-sucedida, sugerindo que a organização adopte a posição com menos risco.

“Se esperamos tanto tempo para preparar a reforma, podemos esperar mais alguns meses para alcançarmos uma solução sólida, firme e resiliente. Devemos tudo fazer para que as reformas reflictam as vozes e aspirações dos Povos Africanos”, disse o Chefe do Estado.

Para o Presidente da República, não se questiona a pertinência das reformas, porque foram os Estados membros que decidiram fazê-las, através do mandato outorgado ao Presidente do Ruanda, Paul Kagame, para liderar o processo.

“Saudamos o trabalho profundo e de grande qualidade apresentado pelo Presidente Paul Kagame. Por isso, queremos dizer, Parabéns Presidente Kagame, líder da equipa, e todos os que o apoiaram neste brilhante trabalho”, afirmou o Presidente Nyusi.